sábado, 31 de dezembro de 2011

New Years Resolutions!

Olá leitores!

Último post do ano! 2012 chegando e eu queria desejar a todos um feliz ano novo, cheio de realizações, bençãos, amor, paz, felicidade e saúde!! \o/

Eu iria fazer um vídeo hoje a tarde, mas o sono foi maior, então será escrito mesmo. Todo ano faço meus pedidos e agradecimentos, este ano não será diferente. Aqui estão:

Pedidos:
- Que Deus me dê sabedoria para fazer as escolhas certas.
- Este próximo ano eu vou parar de procrastinar (enrolar, deixar as coisas pra resolver no último minuto).
- Um carro e uma driver's license.
- Muito trabalho (que significa muito dinheiro, que significa resolver meu problema na América)
- Que eu consiga trocar meu visto de turista pra visto de estudante.
- Que eu consiga ser mais saudável: comer melhor, dormir mais cedo, fazer mais exercícios.
- Começar a aprender duas línguas novas.
- Encontrar um cara bacana.

Agradecimentos:
- Por estar viva.
- Pela oportunidade de vir morar nos Estados Unidos!
- Pelos amigos que eu fiz por aqui e pelos amigos que eu "deixei" no Brasil.
- Por ter uma família maravilhosa, que me suporta, me faz feliz e me dá amor e carinho.
- Por ter um Deus Almighty que cuida de mim, me escuta e aguenta meus altos e baixos.

2012, seja bem vindo!

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Natal: Ice skating e visita à Mary Mello

Olá leitores!


Primeiramente achei que não teria nenhum dia off, mas quando eu fiquei sabendo que o casal (big bosses) iria passar 10 dias em um hotel lá nas Bahamas, mais do que depressa pedi umas férias pra minha patroa e ela me liberou! Ebaaa!


Demorei ANOS para comprar as passagens, estava já sem esperanças de viajar, já que no Brasil é impossível achar passagens-de-ultima-hora na época de festas. Mas aqui não é o Brasil! Comprei na sexta (dia 23) e viajei no mesmo dia pra Mount Laurel para visitar uma outra tia minha. Ela é casada com americano e tem dois filhos que são umas gracinhas!

(Aaron gatão!)


(Rebecca)


Logo que cheguei, recebi dois abraços de urso e a Rebecca pegou o kit dela de bijuteria e me fez um colar, um tererê e uma pulseira. Como diria minha tia, fiquei o próprio pinheirinho de Natal!


Sábado a noite, Christmas Eve, teve ceia. Tinha frango e porco e eu, vegetariana praticante, comendo arroz, salada de kale e quiche de espinafre. Quando eu estava prestes a dormir, chega a Becca com dois presentes pra mim: um deles tinha uma scarf de bolinhas, dois pares de luvas brancas, um cartão-presente de U$ 25 e, no outro, o Lorenzo.

(Lorenzo)


Domingo foi dia de pijama, naaada pra fazer, já que tudo estava fechado. Na segunda voltaram a abrir as lojas e fui patinar no gelo. Sim, gente, é difícil encontrar algo mais cool (literalmente) do que isso! Primeiro fui devagarinho, me segurando nas beiradas... Afinal, a ultima vez que tinha tentado eu tinha 7 anos de idade! Olhei pro pessoal que era expert pra ver como eles faziam e tentei. E consegui! Estava lá me sentindo "A" diva patinando por 20 minutos, me perguntando se um dia poderia ser uma patinadora profissa, quando levei meu primeiro (e um pouco dolorido) tombo! Lá se foi o equilíbrio, a pose, a auto-confiança! Acabei caindo mais outra vez mas não perdi o rebolado e me diverti hor-ro-res!


Terça (dia 27), fiz um milagre arrumando todas as minhas roupas e as coisas que tinha ganhado e comprado (e ainda sobrou espaço!). Peguei um trem e parti para New York ver minha gatinha funkeira que atende pelo nome de Mariana Mello (deste blog aqui ó!). A gente já tinha se falado uns bocados, trocado mensagens bafônicas na madrugada e começado um projeto juntas, mas ver ao vivo e a cores era a primeira vez! O trem parou em Trenton, troquei pra um que ia pra Penn Station de NYC (8th com a W33rd) e de lá um outro pra Long Beach. No caminho começou a chover, mas como não tinha outro jeito, enfrentei, segui as instruções que a linda tinha me mandado. Resultado: cheguei na casa dos hosts da Mary parecendo um espantalho!


Ela me apresentou todo mundo e fiquei espantada como o kid mais velho dela é "dado"! O guri já me chamava de Lisy como se me conhecesse há ANOS. Ajudei ela a dar janta pros três e aí foi nossa vez de forrar o estômago. Ela fez uma comidinha simples mas muito gostosa! Após colocar os pimpolhos na cama, começamos a conversar, contar histórias, trocar conselhos e tudo isso com aquele humor bacana que só a Mary tem! Pra dizer como nossa noite estava "do babado", teve até ligação exclusiva do Tito Reis. Terminamos com fotos, porque por mais "Darlene" que estivéssemos, não poderia deixar de registrar esse momento único, conhecido também como A Primeira Vez Que Conheço Uma Colega Au Pair Ao Vivo.

(Como ela diria, "cheiramos cocô")


Preciso dizer que, por mais que tenha sido muuito legal meu Natal, eu queria estar no Brasil, com meus pais e irmãs, tomando uns caldos no mar, furando ondinhas, comendo torta de ricota, tomando caldo de cana e pegando um bronze! Enquanto aqui está um frio de rachar! Não, não estou sendo mal-agradecida, amo a oportunidade de estar nos EUA, mas quando chega essa época, dá um aperto no coração que só estando pra entender!


Aproveitem o verão brasileiro por mim!


Até a próxima!

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

De California até Richmond

Olá leitores!

Como estão as férias de vocês? Espero que boas!

Vocês lembram que eu sai do emprego da California, passei 4 dias em um hotel e pegaria um avião para Miami, né?!

Na quarta, dia 26 embarquei da famosa LAX em rumo à ensolarada Miami. Cheguei no aeroporto perto de meia-noite, fiquei esperando e nada do patrão aparecer... Depois de 20 minutos, ele apareceu e ele me levou para "minha nova casa", um lugar apertadinho, com 3 quartos. Não tinha quarto de visitas, iria ficar no quarto do filho dele. Estava tentando me acostumar com a idéia, quando ele largou a bomba: "Sexta eu e meus filhos estamos indo para Venezuela passar 15 dias, então você terá que achar um lugar pra ficar nesse meio-tempo". Ok, great! Pra onde eu iria? No outro dia comecei a fazer contato com todo mundo que eu conhecia. Decidi que iria pra Richmond (Virgínia), ficar na casa de uma tia minha. O que eu não sabia era que de Miami até Richmond era um dia de viagem de ônibus.

Embarquei na quinta a tarde e cheguei na casa da minha tia na sexta a tarde. Um baita frio! O tempo foi correndo e eu recebi uma proposta de emprego por aqui. Somado a falta de confiança que eu tinha em trabalhar com um single dad (pai solteiro) e a falta de simpatia que eu tinha por Miami, joguei tudo pro ar e fiquei por aqui. O emprego de nanny que eu tinha não deu certo, então comecei a ajudar algumas housekeepers e ser paga em torno de U$ 20-40 por casa limpa.

Alguns dias atrás eu recebi a proposta de ser ajudante fixa de uma housekeeper que trabalha todos os dias numa mansão. E agora recebo U$ 200 por semana por 2 horas e meia de serviço. E estou vendo papelada para trocar meu visto de estudante e começar a pagar um curso. Foi uma mudança enorme, mas sinto que estou mais alegre do que antes!

Richmond é uma cidade à duas horas de Washington DC, pequena e cheia de árvores. É agradável de se viver. Aqui encontrei amigos (maioria com mais de 40 anos e com filhos na faculdade) que se preocupam comigo, que me ligam... Me apaixonei por essa vida e vou ficar nela enquanto Deus me permitir!

(Richcity)

Até a próxima!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Ho-Ho-Ho! Chegou o melhor feriado de todos!

Oláááá leitores!

Antes de qualquer coisa, eu sei, eu sei, fiquei mais de um mês sem postar! Vocês não tem idéia do quanto eu estou ocupada, mas isso eu vou deixar pra me explicar no próximo post.

O Natal está chegando!! Quem me conhece sabe o quanto eu gosto desse feriado! Desde que eu me conheço por gente, gosto de ouvir musicas natalinas em qualquer época do ano (Páscoa, Dia dos Namorados, Carnaval, Halloween...). Então qual foi minha surpresa quando me disseram que tem uma rádio aqui em Richmond (Onde? Você não ia pra Miami? Esperem o próximo post!) que toca non-stop várias Christmas Songs desde o Thanksgiving até o Natal (um mês aproximadamente)!

E essas são as músicas que eu mais gosto pra vocês ouvirem e cantarem para aqueles seus priminhos pirralhos que ficam te enchendo a paciência durante a ceia de Natal:

* Santa Claus is Coming to Town - Frank Sinatra and Cyndi Lauper
* Happy Christmas (War is Over) - John Lennon
* Winter Wonderland - Michael Bublè
*Santa Baby - Taylor Swift
*It's Beginning to Look a Lot Like Christmas - Frank Sinatra/Michael Bublè
*Sleigh Ride (instrumental)
*White Christmas
*All I Want for Christmas is You - Mariah Carey (a melhor, não dá pra ouvir e ficar parado!)

Gostaria de aproveitar o post pra fazer minha Wishlist Christmas 2011 (roubei a idéia da Luna, deste post aqui) e pedir algumas coisas pro bom velhinho de barba branca e circunferência na cintura:

* Ticket pra assistir um bom musical da Broadway (70-80 dólares)
* (700 dólares) pra completar minha caixinha que eu destino parte do meu salário para comprar um carro e não depender mais da carona da minha tia pra ir trabalhar.
* Uma passagem para California pra eu ver minhas amigas fofas Juliane, Dani e Fran e aproveitar meu anual pass do Universal Studios Hollywood. (200 dólares)
*Uma passagem para Campo Grande pra ver meus amigos de infância (200 reais, saindo de Curitiba)
* Um tour pela Europa, com passagens inclusas (muito caro, só sei disso! haha)
* Um greencard (o calor de um casamento com um americano, porque é a única forma)
* Comer pêssego, nhoque amacarronado e torta de ricota e passar um calor tudo de bom na Praia de Piçarras (150 reais, contando que a estadia na casa do meu tio é free)
* Uma noite com os meus amigos no Habib's, ou em qualquer outro lugar divertido em Curitiba (não tem preço)
* Minha família aqui perto de mim! (Também não tem preço!)

Bom gente, é isso! Pedidos básicos né?! haha #not Espero que o véiiiinho tenha me ouvido e me conceda algum desejo...

Merry Christmas!! *-*


domingo, 20 de novembro de 2011

Hollywood Tour - Parte 2

Olá leitores!

Continuando minha viagem, no outro dia ERA pra eu ir na Universal Studios... O problema é que eu enrolei um pouquinho, já que tinha passado dois meses acordando cedo (inclusive final de semana). Desci pra imprimir o ticket, mas o gerente disse que não podia imprimir pra mim, que era pra eu ir em uma Staples, foi me explicar e não entendi muita coisa...

Pois, do nada, um moreno que também estava na recepção disse que me levava e eu aceitei... É, nada sensato, mas o cara parecia ser boa pessoa, tinha um carro bacana... e foi quando eu morri! hahahahahaha estou brincando, ele me levou pra imprimir o ticket. Depois, perguntou se eu acompanharia ele no Walmart. Fui porque não tinha muita escolha... E ele emendou com um almoço no iHop e uma visita no mesmo lugar que o guia tinha me levado no dia anterior.

Com alguma insistência minha, e já com o horário avançado (16 horas), chegamos na Universal Studios Hollywood.

No guichê, Gabriel foi comprar o ticket dele, mas descobriu que não valia a pena, porque o parque fechava às 6 horas. Eu, pra não ser mal-educada, concordei em acompanhar ele pela City Walk. Foi legal, conheci o Hard Rock Cafe que tinha lá e sua decoração tão amazing!

Se você, garota que está lendo esse blog, quiser um lugar pra conhecer caras gatos, esse lugar é o City Walk da Universal! Só naquele dia encontrei 5! Naquele dia, voltei cedo e aproveitei pra conversar com a fofa da Juliane Bulhões.

No outro dia, me atrasei de novo. Motivo? Problemas! Sim, gente, deu problema em relação à datas com a família de Miami que estava conversando e tive que resolver o pepino... Quando resolvi, já eram 3 horas da tarde...

Cheguei na Universal (North Hollywood to Union Station, primeira parada, atravessa o cruzamento, sobe a rua e tem um ponto que o ônibus do parque te pega gratuitamente. Falando nisso, para andar por LA compensa comprar o Day Pass, que é 5 dólares e vale tanto pra ônibus quanto pra metrô #ficadica) e peguei uma fila enorme para ir na Emotional Cabin com o tema do Simpsons. O problema do brinquedo é que o tempo que você passa dentro do brinquedo é menor do que o tempo que passa na fila! Mas vale a pena! Eu dei tantos gritinhos de alegria, é uma delícia e você sai um pouco molhada...
(Foto do Tio Google, porque dei conta de perder as fotos desse dia... #burraeu)

Outro que fui foi no Shrek 4D e também foi divertido! Pena que não consegui ir em outros brinquedos, porque naquele dia eles decidiram fechar uma hora mais cedo, às 5. Mas como tenho um passe que vale para 2012 inteiro, com certeza volto!

(Essas fotos são minhas, do primeiro dia...)

(Êta lugar bom!)

Até a próxima!

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Hollywood Tour - Parte 1

Olá leitores!!

Bom, como várias pessoas sabia, eu estava de rematch... Acabei meio conseguindo uma coisa em Miami (au pair sem agência tem dessas coisas...), com isso meu pai me autorizou a passar uns dias em Los Angeles pra conhecer a cidade antes de me mudar! Olha que pai legal que eu tenho né?!

Procurei em sites pra encontrar um hotel barato, achei, fiz a reserva e sábado (dia 22) cheguei "de mala e cuia" lá! Pelo que eu tinha visto nas fotos, era um hotel chinfrinzinho, o quarto era uma cama e uma tv, sem banheiro. Quando eu cheguei aqui, levei um susto! Hotel bacana, quarto e banheiro enorme, tv, microondas, geladeira, armario, mesinha e ar condicionado! Amei! (Super 8 North Hollywood - 7541 Laurel Canyon Blvr, paguei U$55,20 a noite)

No outro dia já sabia onde ia: Calçada da Fama! Pedi informação para o recepcionista do hotel sobre onde eu pegava o ônibus pra ir pra lá, ele me explicou (errado, diga-se de passagem), fui andando e me perdi. Bom, resumindo, levei um tempinho a mais pra encontrar a estação de trem. Peguei o trem certo e parei na estação Hollywood/Highland.

Gente, atenção: ao visitar este belíssimo lugar, tente não ficar deslumbrado com tudo o que vê, ou você pode perder dinheiro. A buurra aqui chegou e já entrou na primeira loja de presentes que viu, comprou chaveiro, imã de geladeira e cartões postais. Depois viu que tinha várias outras lojas. Fui andando e vendo o nome nas estrelas. De repente, fui abordada por um cara vendendo tour que passava pelas casas dos famosos, pela Rodeo Drive e uma parada de 20 minutos no Hollywood Sign. Pensei "por que não?" e paguei (outro erro, poderia ter conseguido mais barato).
(Dá pra ver o Hollywood Sign? Não? Mas ele está aí tá?! )

Foi muito legal, o problema é que levei cantada de um australiano (que falava e falava e eu não entendia nada por causa do sotaque...) e do guia, que me chamou para uma festa a noite, disse que também era ator, aquele migué básico... Depois do tour, voltei a ver as estrelas e procurar a da minha atriz preferida - como todos sabem - Audrey. Fiquei irritada porque tem estrela pra várias pessoas que nunca ouvi falar, mas a dela, que foi um ícone do cinema, fica perdida na Vine St.

Voltando, achei uma lanchonete vegan,que fiz questão de parar e tomar um suco de laranja. Foi um pouco decepcionante porque imaginava que seria laranja brasileira e era americana (o gosto é MUITO diferente), mas estava gostoso. Continuei andando distraída tentando absorver tudo, quando fui abordada por uma mulher, convidando pra fazer um tour por um museu, que era de graça. Como gosto de ver museus, principalmente se eles forem com entrada grátis, concordei. E, de repente, me vejo no museu do pai da Ciêntologia, a religião do Tom Cruise e do falecido Michal Jackson. Isso que dá não entender os convites que te fazem... hahahaha

Terminei o dia com o famoso Museu Madame Tussauds, a cerejinha linda do bolo! Esse museu eu recomendo, porque vale a pena! Dica: compre o ticket pela internet, que custa mais barato. O percurso começa com uma foto tua com a réplica do Barack Obama, tirada pela equipe do Museu, seguida pelo terceiro andar. Neste andar tem as réplicas de: Simon Cowell, George Lopez, Angelina Jolie, Brad Pitt, Jennifer Aniston (colocada em um lugar que dá impressão que está invejando o ex-marido e a atual esposa dele), Britney Spears, Jennifer Lopez, Snoop Dogg, Kim Kardashian, Shakira, Justin Timberlake...

(Ai esse Justin que me sobe a cabeça... haha)

O segundo andar é dedicado aos atores caracterizados como seus personagens mais famosos. Tem James Dean como Jim Stark (personagem de Rebel Without a Cause), Vivien Leigh como Scarlett O'Hara, Uma Thurman em Kill Bill e Johnny Depp como Jack Sparrow. Tem também grandes diretores como Alfred Hitchcock e Quentin Tarantino. Em outra sala, você pode ver lendas do esporte; em mais outra, personagens de filmes da Marvel como Wolverine, Thor, Iron Man e Spider Man.
(É, sai beijando meus preferidos! hahaha)

É interessante como parecem de verdade! O cabelo, as sobrancelhas, as unhas... O globo ocular é tão real que você acaba olhando por uns 10 minutos até lembrar que não é de verdade... Vou ter que contar: primeira estátua que eu vi foi do Simon Cowell, só que não reconheci de cara e achei que era uma pessoa... quando eu virei pra falar com ela, aí que lembrei que estava no museu... Quase paguei mico! haha

Voltei totalmente cansada, mas no ponto de ônibus, esperando pra pegar a linha que me levaria pra perto do hotel, conheci um cara chamado Kevin e ele me contou como ele tinha entrado em coma e perdido a memória (e isso o levou a perder o driver's license): Ele tinha um amigo, que estava bêbado e queria dirigir. Ao tentar convencer o cara pra parar, ele foi jogado do carro em alta velocidade, bateu a cabeça no chão e ficou em coma. Perdeu 11 anos de memória e rasparam o cabelo que desde sempre ele tinha usado grande... Que história! Fiquei boba, não sei se é verdade ou não...

video
(Foco péssimo, prometo que vou aprender a mexer para os próximos vídeos!)

O próximo post será a continuação das minhas pequenas férias...

Até...

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Infância - parte 2

Minha infância foi assim.

Eu tinha uma "barbie" que já vinha com nome, Petra. Ela não mexia os joelhos, nem os cotovelos. Minha mãe disse que era alemã, mas como chegou em casa até hoje eu não sei.

E tinha uma Barbie Princesa. Essa eu comprei com a mesadinha de cinco reais que ganhava por semana (incrível como naquela época eu conseguia economizar bem mais do que hoje!). Ela custava 45 reais e era a boneca que eu mais gostava. Ela vinha com um vestido rosa brilhante, um pente e sapatinhos de bailarina. Não dava para tirar o último item, o que poupou meu pais de comprarem aquelas cartelas com roupas e sapatinhos que vendiam na feira. Ela tinha um cabelo longo que, aos poucos, fui cortando. Sabia que cabelo de boneca não crescia, mas não conseguia largar essa mania. Acabou que o cabelo dela ficou beeeem melhor do que o original.

Nunca tive a casa, o carro, o avião, a nave espacial da Barbie, mas tinha imaginação. Quando eu me ajuntava com minha amiga Keni, fazíamos tampinha de refri virar cadeira, almofada virar cama, estojo virar carro... Até um shopping inventamos uma vez! O ruim era que cada vez que montávamos as coisas, quando terminava ouvíamos "Fulana, hora de ir embora!". Era frustrante!

Cada vez que eu ia na casa da minha avó (o que acontecia a cada final de ano), eu pegava vários retalhos, uma vez que ela era costureira. Retalhos de várias cores e estampas. E com isso fazia as roupas das bonecas. Chamava minhas primas, pegávamos tesoura, agulha e linha e fazíamos modelitos "fashion". Rolava até um desfile. E enquanto ela era movimentada pela passarela imaginária, um "tut's tut's" saía da nossa boca. Ao final da brincadeira, guardávamos em uma caixa.

Brinquei de boneca (aquelas grandonas, de dar mamadeira) até os 10 e de Barbie até os 14. Hoje não vejo mais as meninas brincando de boneca. Elas preferem maquiagem, falar de garotos e ter perfis em todos as redes sociais.

E as Barbies e carrinhos vão sendo silenciosamente sendo substituídos...

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Dica de Seriado: New Girl

Olá leitores!


A dica de hoje é sobre um seriado que estreiou no Fall Season chamado "New Girl" e que já conquistou meu interesse. O seriado conta a história de Jess, uma garota que, após descobrir que foi traída pelo namorado, acaba indo morar em um apartamento com três homens: Coach, Schmidt e Nick.


A sinopse não convence muito, o que convence é a interpretação extraordinária de Zooey Deschanel. Eu não era convencida do "auê" que faziam em torno da atriz até eu ver a capacidade dela de tornar a personagem o mais interessante possível. Com caretas e dancinhas estranhas, Jess não se leva a sério e isso dá a leveza e a graça da série.


Palmas também para o resto do elenco que trazem uma interpretação realista à serie. Não há sinal de falas decoradas, nem tons forçados para ser engraçado, é encantador por si só. A única decepção é que após 20 minutos o episódio acaba!


Desafio você a não se sentir emocionado com a versão adaptada de "I Had The Time Of My Life", do filme Dirty Dancing, cantada pelo trio de moçoilos num restaurante.


Até a próxima!


quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Happy Birthday Mommy!

Hoje é aniversário de alguém SUPER HIPER MEGA especial...

O nome dela é Dilza e ela é a mulher mais forte que eu conheço!
Me carregou por nove meses na barriga, me criou, passou noites acordadas quando eu ficava doente e nunca reclamou.
Teve, por duas vezes, a notícia que a criança que ela acabara de ter não era igual aos outros, tinha uma doença desconhecida. Ela foi bater na porta de cada médico neste planeta para ter uma explicação e, no final, não conseguiu nenhuma... Não há registros de quantas vezes ela levou e buscou minhas irmãs na fisioterapia/terapia ocupacional/psicoterapeuta/psicóloga.
Passou pela tristeza de ver uma de suas filhas sendo internada muito mal na UTI.
Deixou de comprar roupa e sapato pra ela por anos pra que nós, suas filhas, pudéssemos ter uma educação de qualidade.
Teve uma loja, que em alta temporada, chegava a ter 15 empregados. Administrava a empresa muitíssimo bem. As pessoas que trabalhavam na loja, quando saíam, eram imediatamente contratadas por outras empresas que sabiam o quão bom era o treinamento que minha mãe dava. Já vendeu de tudo: uniformes escolares, perfumes, calçados, roupas infantis, livros didáticos e paradidáticos, sorvete e até materiais de papelaria (kits para volta as aulas).
Aguentou sua filha mais velha (eu) na fase pré-adolescente gritando com ela a cada dois dias por falta de atenção, enquanto ela tinha dar cuidado integral para as duas mais novas que precisavam bem mais...
Esperou por quinze anos para ter a casa dos sonhos dela e, quando tudo ficou pronto, passou um ano e teve que deixar tudo para se mudar para outra cidade.
Odeia frio, mas se mudou pra Curitiba pra acompanhar a filha (eu novamente) no sonho de fazer faculdade na Federal.
Resolveu ser concurseira e tem tal determinação pra isso.
Tem 45 anos com carinha de 36.
A melhor companheira de viagem, sempre ficava me empurrando pra eu fazer as coisas, mesmo com minhas reclamações.
É inteligente, humilde e amorosa.
Extremamente linda, bem branquinha e cabelos castanhos ondulados e corpão.

Mãe,
Não é a primeira vez e nem a última, infelizmente, que a gente vai brigar... Porque as vezes eu não concordo com o que você diz ou estou com preguiça de admitir que você está certa... Mas eu te amo muito e se um dia eu conseguir ser metade do que você é, já estarei feliz!

Outra vez, feliz aniversário!!

(Minha mamãe linda que eu estou com saudades!)

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Infância - Parte 1

Minha infância foi assim.

Teve a moda do elástico, toda garota (e algumas vezes, garotos) tinham um. Quem não tinha dinheiro pra comprar um - é gente, eram dias difíceis aqueles - ficava na esperança que a amiga chamasse pra brincar. Era mais legal brincar com mais de duas pessoas, mas quem nunca colocou o tal elástico nos pés de duas cadeiras e brincou sozinho? A brincadeira tinha vários níveis de dificuldades baseados na altura que o elástico era ajustado nas pessoas/cadeiras. A parte engraçada é que nos últimos níveis a "dancinha" era feita apenas com a cabeça, mas tinha quem se aventurasse a pular super alto pra conseguir mais moral.

Depois veio a mania do tamagotchi, e era bichinho virtual pra todo lado. Novamente, toda criança descolada tinha um. Você tinha que encontrar um clip-de-papel, entorta-lo e enfiar no buraquinho pra que o bichinho nascesse. Após uma hora, finalmente o animal nascia. E você dava comida, carinho, higiene e brincava com ele por meia hora, depois disso era frustrante como ele não aceitava nada e o interesse ia diminuindo. O pior é que ele resolvia dormir na hora errada e ficava acordado, precisando de mil coisas bem no meio da noite. Servia para nos treinar para o emprego de pais. E depois de dois dias ele morria. Até o próximo esforço com o clip.


Mais uma mania da criançada da minha época: tazzo. Eram uns cards que vinham dentro dos pacotes de salgadinhos. A garotada fazia uma roda, cada um com seus montinhos de fichas. Uma ficha de cada participante era colocado em um monte central. Fazíamos uma concha com a mão, batíamos e aumentávamos nossa propriedade com as fichas que virassem. Curiosidade: Uma vez eu quebrei um relógio raro da minha mãe tentando jogar esse jogo.


Lembro também que maioria das crianças tinha videogame. Naquela época não era muito comum. E era aqueles de fita, que pra funcionar você tinha que tirar a fita do aparelho, soprar, limpar com a barra da camiseta, colocar de novo no aparelho e socar. Aí sim o "troço" funcionava. Eu não tive um, então ia na casa da minha vizinha jogar. A regra era assim: O personagem morria, o controle passava de mãos. E como ela tinha mais prática, eu ficava 5% do tempo e ela o resto. Acabava mais olhando do que jogando.


Teve a febre do patinete, que era divertido nos primeiros cinco minutos e depois disso aqueles movimentos repetitivos ficavam um tédio. Teve a febre da amarelinha, que com uma pedrinha e dez quadrados feitos de giz você chagava no paraíso. Teve a febre de pular corda, enquanto quem batia cantava "Um homem bateu em minha porta e eu a-bri, senhoras e senhores, põe a mão no chão..." ou "Com quem? Com quem será? Que a fulana vai se casar? Loiro, moreno, careca, barrigudo, rei ladrão polícia, capitão..." e nós tínhamos que ser espertos para ficar até o final da música. Quem pulava a música inteira era coroado "o rei da cocada preta" em uma coroação silenciosa, onde apenas quem estava jogando sabia.


Minha infância foi tão divertida!! E fico pensando... as crianças de hoje podem ter toda essa diversão em um iPad? Podem ter essa diversão passando o dia inteiro enfurnado dentro de casa? Espero, pelo bem delas, que a resposta para essas perguntas seja sim.


PS. Esse post era pra ter sido terminado pro dia das crianças, mas não consegui... De qualquer forma, aqui está, espero que vocês tenham gostado e tido um momento nostalgia...

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Um rolé por Riverside

Olá leitores!

Um certo sábado, 8 de outubro, eu estava de bobeira no meu quarto, quando pela janela e vi o céu azul limpinho e o sol lindo que fazia na California; decidi que ia sair dar umas voltas... E aqui está as fotos que tirei na minha saída:

(Sierra Vista Avenue)

(Palmeira linda!)

(La Sierra Seventh-Day Adventist Church - Youth Center)

(Frente da igreja)

(I love this place!)

(O melhor sunset que já vi na vida!)

Até a próxima!

Los Angeles

Olá leitores!

Terça-feira, dia 27 de setembro, pleno dia de semana. Fui com a Host Grandma e o kid levar o host dad no aeroporto. Como eu pensava que iríamos apenas levar e voltar, não levei a câmera.
Quem me conhece sabe que eu enjôo loucamente em viagens de carro que passem de meia hora e que, nesses casos, eu não hesito em encostar minha cabeça do jeito mais confortável possível e dormir. E gente, fiquem orgulhosos de mim! Não dormi na ida! Quase, mas não dormi!
Riverside é uma cidade que é rodeada por montanhas e isso dá um certo ar
country. Quando você pega a highway para o LAX (por Corona) você também vê montanhas. De repente, o ar muda! As montanhas ficam para trás e você começa a ver as famosas palmeiras. Tudo foi extremamente emocionante! Ver as letras gigantes do LAX (Los Angeles Internacional Airport) e o restaurante suspenso...

(Não são fotos minhas, peguei no Uncle Google pra ilustrar!)

Deixamos o H. no aeroporto e
back pra casa né?! Claro que não, a fofa da Dona V. (a vozinha) me levou para a praia! E, quando eu vi aquele mar azulzinho e infinito, eu chorei! Não disse que tinha ficado emocionada? Pois eu realmente fiquei! Era muita beleza pra meu pobre coraçãozinho aguentar! Eu que nem sou piraaaada por praia né?! haha Vi o mar em Venice, Marina Del Rey e Palisade.

(Foto tirada no celular da Dona V.)

Passamos pelas mansões de Beverly Hills, pelo portão da cidade de Bel Air, pelos
campi da UCLA... Aí, quando me dei conta, estava vendo o famoséééérrimo encontro da Sunset Boulevard com a Rodeo Drive! Segurei um berro e apenas disse, como pra constatar: "Olha, a Rodeo Dr!". A Dona V perguntou se eu queria andar nela, eu respondi que não precisava e ela não aceitou minha resposta, deu a volta e começou a rodar pela Rodeo.

Essa avenida (na verdade, um certo local por onde ela passa) precisa de um parágrafo inteirinho dedicado: é o encontro da Quinta Avenida de NY com a maresia! Um local cheeeeeio de lojas de grifes com um ar praiano, madames saindo das lojas, e mais palmeiras! Tem até uma ruazinha italiana suuuuper charmosa, que eu juro que voltarei com tempo pra ver direito!
Rodeo Drive (Mais uma foto do Google...)

Cerejinha do sundae: Dona V. me levou pra conhecer Hollywood! Passamos por uns lugares bem legais, vi o Kodak Theatre (na entrada está a propaganda do espetáculo do Cirque Du Soleil, o Iris!), umas guitarras enormes bem legais (não sei onde fica...) e, de longe, a calçada da fama! Tentei ler algum nome, mas não consegui, do carro fica longe pra entender. Mas super valeu a pena! A única coisa que falta é o famoso Hollywood Sign!

Voltamos por Glendale e paramos em uma padaria cubana MARAVILHOSA! Fui um pouco desconfiada, não sabia o que tinha de bom pra pedir... Pedi um sanduíche com potato balls, mas descobri depois que tinha carne dentro das bolinhas. Cancelei e pedi dois croissant de espinafre, um cupcake, um mousse de limão e um suco de laranja. Ó céus! Que suco gostoso! Quanto tempo que não tomava um suco feito na hora! E o resto do meu pedido foi tão bom quanto! Nome da padaria: Porto's. Não deixem de ir e podem pedir qualquer coisa que eu garanto que é bom!

Como não tive o prazer de tirar fotos à vontade com a minha câmera, vou ter que voltar lá, olha que coisa ruim! hahaha

Enquanto isso fiquem com o vídeo que fizeram da minha pessoa, toda feliz e boba porque estava vendo o mar californiano aqui!

Até a próxima!

Aquele famoso homesick

Olá leitores!

Hoje foi um dia complicado... O famoso homesick invadiu meu ser e me derrubou por umas três horas!

Quando eu estava no Brasil várias vezes vi no Facebook de colegas au pairs, mensagens desse tipo: "POR FAVOR, alguém converse comigo, estou muito mal!". Não entendia, pensava que elas estavam de melodrama. Mas é só pisar em solo estrangeiro pra entender como nossas emoções se tornam intensas!

Sempre me dá uns momentos de tristeza, mas hoje era só eu olhar para qualquer objeto/pessoa que eu sentia as lágrimas rolando face abaixo! Senti falta de ser amada e dos abraços de urso dos meus amigos! E da minha mãe! Eu tentava pensar em qualquer outra coisa, mas sabe quando você sente seu coração apertadinho? Pois é...

Colegas au pairs: Agora eu super entendo vocês! Porque tudo o que eu queria naquele momento era alguém pra conversar comigo!

Digo para vocês que não é fácil... Mas se isso faz parte do amadurecimento, então encaro como uma pedrinha no meu caminho, daquelas que a gente só empurra pro lado e continua andando!

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Carta aos Adolescentes

"Que é isso tia? Carta? Nunca ouvi falar! É de comer?"

Ok, vamos atualizar o título então:
E-mail aos Adolescentes.

"Ah tia, agora está bom, e-mail eu conheço, mando todo dia pra..."

Olá você que tem de 14 a 17 anos! É para você que escrevo estas palavras. Você que é fã do Justin Bieber, usa aparelho nos dentes, tem espinha e não vê a hora de fazer 18 anos e ter seu próprio apartamento. Eu sei que você vai ler esses conselhos e não vai dar bola. Sim, vocês, adolescentes, são totalmente previsíveis! (Talvez porque eu já tenha passado por essa fase e tenha feito a mesma coisa com quem gente "mais velha e chata" que vinha me dar conselhos.)

Ser maior de idade é o máximo! "Isso eu já sabia!" Mas também é doloroso. Sim, você sente uma dor emocional tão grande que quase se transforma em dor física.

A vida é um looping sem fim. A partir do momento que você faz 18 anos as coisas tendem a mudar rapidamente. Você viveu em uma bolha por toda a sua vida e agora é hora de furar essa bolha e respirar o ar do mundo. É aterrorizante e gostoso ao mesmo tempo. Nem pai nem mãe agora são teus responsáveis, você tem que fazer decisões toda hora, por 'tua conta e risco'.

A vida é repleta de erros e acertos. Como a vida adulta é um grande ponto de interrogação, é muito fácil cometermos erros. Alguns erros você leva a cicatriz pro resto da vida. Mas quando a gente acerta? Ah, que coisa boa!

A vida adquire mais responsabilidades. "Quero sair logo da escola pra passar num vestibular e entrar na faculdade pra nunca mais ter que estudar!" ERRADO! É a partir daí que você começa a estudar ainda mais. Estudar de noite e trabalhar de dia pra pagar os estudos. Com muito suor, consegue alugar um apartamento ou comprar um carro.

A gente dá mais valor aos pais. FATO! Agora que passou a fase da 'aborrecência', vemos que nossos pais podem ser nossos melhores amigos. Podemos partilhar coisas boas, coisas ruins. Até porque eles já passaram pela juventude e tiveram dificuldades e dúvidas semelhantes! E também você percebe que não tem muitos mais tempo com eles, ainda mais se tiverem idade avançada...

'A vida não segue um roteiro' Ouvi essa hoje. E não poderia ser mais verdade. Eu sempre tive vários planos. Fazia plano A, B e C. Caso não desse certo um, tinha ainda uma certa margem de segurança. Isso acabou! Planos agora são feitos em minutos e não tem garantia nenhuma se vai dar certo. É uma roleta russa: Com sorte você sai ileso.

É claro, a partir do momento que você é maior de idade, é liberado para muita coisa: pode tirar carteira de motorista, pode entrar em balada, comprar bebida alcoólicas, seus pais não podem mandar em você (entre outras coisas). Mas isso não quer dizer que está liberado para fazer todos os tipos de burrices conhecidas pela humanidade!

É... A maioridade é complicada. Mas eu não trocaria a minha por nada!


PS. Hoje é um dia muuuito bom por dois motivos. Primeiro: É aniversário da minha irmã mais nova! Êêê! Parabéns Nairoca! Segundo: Faz exatamente um mês que cheguei na Califórnia! Ê, parabéns pra mim! \o/
PS2. Esse post é dedicado às duas pessoas que me ajudaram o possível e o impossível e sempre mantiveram minha auto-estima (importante quando se está sozinha num país que não é o seu!): Meu pai, Sr. Giba, e minha tia, Marcela Bornstein, um doce de pessoa e nova leitora do meu blog!

domingo, 25 de setembro de 2011

Unnamed Story 4

Olá leitores!


Ontem fiquei com vontade de escrever. Foi a primeira vez, desde agosto, que eu senti a inspiração. E já vou dizendo o nome do "muso": O livro A Walk to Remember (do Nicholas Sparks) em inglês! Encontrei este livro sexta e fiquei tão empolgada, mesmo lendo a história pela quarta vez, que senti as emoções necessárias para continuar my own book. Então aqui está a continuação, espero que gostem!


Duas semanas passaram e James não passou nem uma vez pra ver como eu estava. Pelo que eu fiquei sabendo, ele estava trabalhando na loja da mãe dele. Na vez que eu o encontrei sem querer na farmácia, ele sequer olhou para mim. Então, um dia, decidi que resolveria a questão de um jeito ou de outro.

Trabalhei na cafeteria até as dezessete horas, voltei para casa, tomei um banho e fui até a casa dele. Bati palmas. Quando estava quase desistindo, ele apareceu na porta. Estava com dois botões da camisa desabotoados e o cabelo molhado. Me distraiu, mas logo lembrei porque estava ali.

“Você poderia me explicar o que esta acontecendo?”

“O que esta acontecendo? Rebecca, seja mais específica por favor” disse ele, tapando os olhos com a mão para o sol não bater.

“Por que esta me evitando?” perguntei, a voz um pouco mais aguda do que eu esperava.

Ele respirou fundo. “O Chris me contou. Parabéns.”

“Que diabos você esta falando? O que o Chris contou?”

“Eu sei que vocês estão namorando.”

“O quê? Ele te disse isso? Nós não estamos namorando, mal falo com ele!” disse, batendo o pé com força no chão.

“É, eu imaginei que não.” Ele pegou minha mão. “Rebecca, o que você quer que eu faça? Eu pensei todos esses dias no que poderia ter te chateado naquele dia e não encontrei uma resposta”

Aquilo me desestabilizou e tive que me sentar nos degraus da casa dele para não cair. Ele fez o mesmo.

“Eu queria a resposta para a minha pergunta” respondi baixinho, com medo de parecer boba.

“E qual era a pergunta?” perguntou e parecia estar profundamente interessado.

“Você gosta de mim?” olhei para seus olhos azuis e minhas pernas ficaram bambas.

“Como nunca gostei de uma garota antes!” disse com um sorriso.

Bingo! Era isso que eu esperava e, dessa vez, eu o beijei. Como eu havia sonhado por muito tempo, ele era meu.


Mais uma pequena explicação: Esta não é a história pronta, é apenas um rascunho. Ou seja, é possível que eu faça mudanças, pequenas ou grandes, talvez até bruscas! Por isso estou disponibilizando para vocês lerem, sem medo que alguém pegue e diga que é dele. Afinal, vocês não ficaram sabendo o final por aqui mesmo... (haha como sou má!) =D


Até a próxima!


quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Top 10 filmes preferidos - Parte 2

Olá leitores!

Como prometido, os últimos cinco filmes do Top 10!

5. Os Delírios de Consumo de Becky Bloom (2009) - Confessions of a Shopaholic
Diretor: P. J. Hogan
Protagonistas: Isla Fisher e Hugh Dancy
É bom porque...: Primeiro porque ela é jornalista! Segundo porque tem o sotaque britânico maravilhoso do Hugh. E o maior motivo é... ham... você vai entender se assistir!

4. O Diabo Veste Prada (2006) - The Devil Wears Prada
Diretor: David Frankel
Protagonistas: Anne Hathaway e Meryl Streep
É bom porque...: História da gordinha jornalista que emagrece para se encaixar no mundo da moda. É praticamente uma passarela! E tem lição de moral no final. Irresistível!

3. Ela Dança, Eu Danço (2006) - Step Up
Diretor: Anne Fletcher
Protagonistas: Channing Tatum e Jenna Dewan
É bom porque...: Pra começo de conversa, todo filme de dança me encanta! Mas nenhum teve a honra de chegar ao top 10 como esse! Garota bailarina rica encontra rapaz dançarino de rua pobre. Mistura perfeita de música clássica com o hip hop. (Os atores acabaram casando e são super apaixonados na vida real! Oooowwnn *-*)

2. De Repente 30 (2004) - 13 Going On 30
Diretor: Gary Winick
Protagonistas: Jennifer Garner e Mark Ruffalo
É bom porque...: É aquele filme que faz você pensar sobre a vida, disfarçado de filme de garotinha. E quem não gostaria de ter a oportunidade de voltar e desfazer alguma burrada? (Pontos extras por ter o ator-mais-fofo-ever, Sr. Mark Ruffalo!)

E, sem nenhuma surpresa, o primeiro lugar vai para...
1. Bonequinha de Luxo (1961) - Breakfast at Tiffany's
Diretor: Blake Edwards
Protagoniasta: Audrey Hepburn, George Peppard e Patricial Neal
É bom porque...: Quando eu ouvi falarem que a personagem era uma prostituta, eu não acreditei. Até hoje não acredito. É tão sutil que você passa o filme inteiro sem ver nem cena nem conteúdo impróprio! A protagonista também é interesseira, mas Audrey mais uma vez se sai "melhor que a encomenda" e transforma Holly Golightly em um ícone do cinema! Aposto que você vai amar a canção "Moon River" e não vai conseguir tirar da cabeça!

Está apresentado então a minha lista! Espero que gostem das recomendações!

Até a próxima!

Top 10 filmes preferidos

Olá leitores!
Aqui vai um post decrescente dos 10 melhores filmes na minha opinião! A lista inteira, depois que fui notar, só tem comédias românticas! Metade sai hoje e metade sai amanhã!

10. Sabrina (1954)
Diretor: Billy Wilder
Protagonistas: Humphrey Bogart, Audrey Hepburn e William Holden
É bom porque...: O clichê da menina pobre e ignorada até o dia que sai da cidade, fica rica e bem arrumada. O que dá a leveza do filme é a interpretação graciosa de Audrey.

9. Ela é Demais (1999) - She's All That
Diretor: Robert Iscove
Protagonistas: Freddie Prince Jr. e Rachel Leigh Cook
É bom porque...: Outro clichê meloso, desta vez sobre o cara que faz uma aposta. Mesmo assim é gostoso de assistir e tem bons momentos! (E é interpretado pelo "príncipe" dos filmes melodramáticos!)

8. As Branquelas (2004) - White Chicks
Diretor: Keenen Ivory Wayans
Protagonistas: Shawn e Marlon Wayans
É bom porque...: Ah, esse eu não vou comentar. Noventa por cento dos meus amigos também gostam. E se você nunca assistiu, se mata! haha

7. Kate e Leopoldo (2001)
Diretor: James Mangold
Protagonistas: Hugh Jackman e Meg Ryan
É bom porque...: Quem não gostaria de encontrar um cara cavalheiro, bonito e romântico (e vindo do passado...) na Manhattan de atualmente? Essa é a sorte de Meg Ryan neste filme engraçado e meigo!

6. Um Amor para Recordar (2002) - A Walk to Remember
Diretor: Adam Shankman
Protagonistas: Shane West e Mandy Moore
É bom porque...: Esse filme não poderia deixar de estar no meio da lista! O nível de fofura ultrapassa o infinito e o choro é garantido no final! Mas também, é baseado em um dos livros de quem? Nicholas Sparks!

Até a próxima!

Ps. Nos próximos dias estará pronto o post sobre a continuação da minha viagem pelos EUA! Destino: Mont Laurel. Não percam!

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

New York

Olá leitores!

Tenho que confessar, o bichinho da abdução começou a me pegar! E esse bichinho tem nome: Cansaço! Apesar de fazer o que eu gosto, fico cansada no final da semana. Mas vou fazer o maior esforço para que meu blog não seja abandonado!

Embarquei no dia 22 de agosto para os EUA. Com duas malas despachadas, felizmente dentro do peso permitido, uma bolsa e minha mãe, comecei a viagem.

Cheguei em Newark e peguei um terremoto. Foi fraco, não senti, mas isso me impediu de ir para a casa da minha tia em Richmond naquele dia. Aí quando achei que o drama já tinha passado, fiquei sabendo que um furacão estava vindo!

Preciso dizer que não fiquei nem um pouco preocupada. Ao contrário dos americanos. Dica: Não acreditem 100% nas notícias de desastre que os jornais noticiam! Eles gostam de uma tragédia (??) e fazem de tudo pra aumentar a história! E o que aconteceu? A população se preparou, comprou estoque de comida, saíram dos locais onde o furacão passaria e bloquearam as pontes para Manhattan no sábado 27. Eu estava na casa da minha tia em Elizabeth e aquela cidade estava deserta! Em um sábado a noite!

Domingo de manhã, dia anunciado da passagem do Irene por aquelas bandas. Eu acordo e vejo o sol batendo na janelinha. COMO ASSIM? Sim, o enorme furacão tinha virado chuva de verão e já tinha passado! A tarde, nós (eu, minha mãe, meus dois primos e meus tios) decidimos ir para Manhattan. E lá também estava calmo, nada parecido com o que as pessoas me contavam.

Visitei o Central Park (cheio de lama), a loja da Apple (fechada para reforma)...
(Onde estão as pessoas? E os carros?)

... a luxuosa 5th Avenue...
(Louis Vuitton, Tiffany e Co., Forever 21, Armani, Salvatore Ferragamo, Diesel, Guess, Swarovski...)

... e a Times Square!
(Cansada de tanto andar, mas feliz da vida!)

Não dá pra ter idéia da sensação que é andar por todos esses lugares! No Central Park, não dava para perceber que o parque é artificial (eles projetaram o parque, ele não estava lá originalmente. Mas todas as arvores são de verdade!). Na Quinta Avenida, eu fiquei extremamente boba! As marcas mais legais do mundo estavam lá! Era como estar em um shopping ao ar livre! E o Times Square é lindo! Todos aqueles letreiros coloridos juntos não dão impressão de poluição visual, como eu pensava! É fácil passar a noite por lá e o tempo voar!

E não poderia deixar de passar neste lugar aqui:
(Se não fosse caro, seria irresistível!)

E tem coisas que eu não vi, terei de voltar pra terminar, olha que coisa ruim! haha

Até a próxima!